Mais um dia como outro qualquer, abro os olhos com uma preguiça descomunal de levantar, olho o relógio, vejo as horas e percebo que a persiana estava muito aberta, tanto que o sol me presenteia com a minha pequena dose de bronze matinal indesejada e depois de algum tempo o ventilador é desligado, então me levanto[calor].
Esta tudo sendo como em todos os outros dias, levanta, abre o olho, preguiça, sol, calor, de pé. Mais um dia desinteressante como outro qualquer, fazer as mesmas coisas desinteressantes, comer a mesma comida, vestir as mesmas roupas, olhar para as mesmas pessoas, rir[e chorar] pelas mesmas coisas, amar[e odiar] idem. Não reclamo de minha vida monótona, só conclui que ela anda monótona demais. E você não me venha dar um sermão de que existem pessoas com muito menos do que eu e estão sempre com um aspecto sorridente ou que tem gente que cata lixo pra poder sobreviver e qualquer outra coisa do tipo, você acha que eu não sei? vou deixar a modéstia um pouco de lado e dizer que sou um bom observador, talvez essa seja a única coisa que sei fazer direito, ou não.
Os meus objetivos estão totalmente desfocados, não sei mais o que é real e o que possa vir a ser a minha ridícula imaginação, que por sua vez vem deteriorando com o passar dos segundos e agora se encontra em um tosco estado em decadência. Cadê aquela folia de todos os inícios de ano? onde ela foi parar? acho que a roubaram junto com a minha sanidade. Mas tá tudo ficando mais claro agora, parece que quando se perde um sentido se apura outro, no meu caso, eu perdi o meu 6º/2 e falta pouco pra essa outra metade também virar lenda.
Agora as sensações, você não sabe o que é sentir as mesmas coisas toda manhã, ir dormir já pensando como vai ser na manhã seguinte, isso é muito desconfortável para não falar coisa pior. Não espere muita coisa de mim esses tempos ou tenha cuidado senão a decepção é o que lhe espera na próxima esquina.
Sempre tive essa paranóia de que as pessoas esperam muito de mim, e depois de algum tempo pude constatar que infelizmente não é paranóia, mesmo que inconscientemente, as pessoas ao meu redor me passam essa ideia, cresci acostumado a ouvir frases como "-não fez mais que sua obrigação" ou "olha, você fez errado, assim que se faz..." ou ainda "pare de perder tempo com essas idiotices e vá fazer alguma coisa que preste".
Por muitos anos fui a sombra de alguma coisa que até hoje não sei o que porra é, a única coisa que descobri é que isso definitiva não me fez muito bem. A indiferença foi minha amiga por muito tempo, era tão mais fácil quando eu era só mais um ali no meio de um conjunto ao qual eu sempre não era parte integrante[não me ache prepotente ao ponto de pensar que falei que sou alguma coisa agora, apenas não sou mais aquilo que costumava ser], ninguém tinha expectativas sobre mim, aquilo sim era o meu paraíso particular, eu podia voltar pra casa todo dia razoavelmente feliz e com uma pseudo ideia de missão cumprida, agora você pergunta: "-Que missão?" e eu respondo: "-Quem sabe?".
Porém, como tudo que é fácil, no inicio é legal, mas depois aparece um desejo remoto de querer tentar fazer algo diferente[até ai eu ainda tinha objetivos tortos, mais tinha] e o diferente as vezes não é aquilo tudo que se esperava que fosse. Eu não tenho nenhum motivo pra negar que foi divertido, foi, mas, e agora?
Aquilo que parecia "fácil" foi ganhando "Exp" e foi se tornando "complicadinho" até se tornar "grande". A maldita bola de neve que não serve pra nada, a não ser crescer e destruir tudo que ela passa por cima. Talvez se chovesse eu me aquietasse e também talvez se eu tivesse algum objetivo bem definido já ajudaria.
Agora a dúvida, duvido de mim. Duvido e sempre duvidei de mim e da minha capacidade para fazer qualquer coisa, os elogios me assustam desde criança, eles me passam um confiança que nunca fui acostumado a ter, ai, com essa confiança em mãos, me sinto poderoso e acabo fazendo besteira as pessoas que gosto. Prefiro que não me elogiem, mas se insistem, agradeço e mudo logo de assunto. E outra coisa que me incomoda é o olhar, não pode-se negar que ele fez muito sem nem ter boca para soltar uma palavra ao vento, ele fala e eu consigo captar.
Sentem piedade por mim, é isso, nunca me enganaram. Sou a sombra que é exposta ao sol em um lugar aberto, mas o que eu só queria mesmo era voltar a ser só a sombra. Então acho melhor parar por aqui e começar a planejar o que vou fazer amanhã quando acordar e sentir que nada mudou[de novo]. Mas antes, agradeço pelo seu ato de heroísmo que foi conseguir chegar a essas últimas linhas. =D.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Labirinto do Fauno

"Sinceramente, tô nem ai pra esse monte de merda."

Narrativa escolar