Crônicas de Eduardo – Guess I'm Fool


Sabe, dia desses estive conversando com o Eduardo sobre araras, suas cores, penas, a imponência que elas tem ao alçar voo e a capacidade de quebrar quase qualquer coisa com seus fortes bicos. Sei que esse não é o melhor assunto para se conversar na fila da psicanálise semanal, mas conversar sobre assuntos insólitos é uma boa maneira de se tentar manter a sanidade aqui.
"- Eu não gosto dessas aves, aliás, não gosto muito de todos esses animais que tem a capacidade extintiva de encontrar seus parceiros ideais tão facilmente e viver com eles até o fim dos seus tempos... invejo as aves, talvez numa próxima vida, quem sabe, eu possa voltar como uma." Explicou-me Eduardo.

O amor é uma incógnita a qual sempre achei que ninguém entende, desde os primórdios da humanidade ou desde que alguém decidiu nomear essa 'coisa', até hoje não sei como um negócio aparentemente tão simples pode se tornar tão complicado. Quis saber mais da opinião dele sobre isso, em miúdos, me disse que suas experiências passadas não foram tão divertidas assim, afinal ele é humano e como todo humano: passível de enganações, só que o Edu se supera em quase ser mestre na arte de ser enganado. O passado de um homem é seu tesouro, só que nesse caso o baú estava cheio de ouro de tolo.
Continuei a conversa, pedi para me explicar melhor o porquê dessas palavras ásperas e desses sentimentos tão penosos sobre o amor, gentilmente fui recebendo as explicações que pedi, nesse ponto da sua vida ele me disse que já tinha aprendido como dominar boa parte dos seus demônios e a trata-los com indiferença, vai ver que é por isso que muitos o julgam como sendo uma pessoa forte. Ainda tenho muito o que aprender com esse cara. Como me dizia, ele não teve muitos relacionamentos e nem muito menos sempre foi tão reservado. Em outrora já foi mais bobão, seja pelas suas ações impensadas ou até mesmo pelo sua mania antiga de acumular esperanças, mas essas são outras histórias.
Esses minutos tão passando rápido hoje, o tempo em uma sala de espera pode ser bastante improdutivo se você não encontrar nada para se distrair. O problema das araras é que após encontrarem um par, quando algum dos dois morre, o outro finda seus dias em solidão, o comportamento animal é uma coisa muito interessante, isso temos que admitir. Talvez ficar só não seja tão ruim quanto se imagina, as pessoas super valorizam demais uma companhia. Ninguém para pegar no seu pé ligando toda hora perguntando onde, com quem e o que você está fazendo a cada 5 minutos. Ninguém para te olhar bem nos olhos e dar o primeiro abraço, desejando um feliz ano novo.
Eduardo já se apaixonou uma vez, pelo menos segundo o que me disse que se lembra. Ela parecia perfeita, gostava das mesmas coisas, tinham vários passa-tempos em comum e as suas conversas sempre eram cheias de assuntos esquisitamente interessantes. Só que a ilusão da mulher e do relacionamento perfeito foi logo se exaurindo. Todos sabemos que não existe nada perfeito, mas no começo, adoramos aceitar a ideia de que nada pode dar errado e isso sempre nós conforta em determinados momentos, mas, como certa vez já disse o poeta, no meio do caminho tinha uma pedra e realmente tinham algumas pedras no meio do caminho.
Outra coisa que admiro muito no Eduardo é a sua capacidade de falar sobre vários assuntos ao mesmo tempo, é espantoso como na maioria das vezes um não tem conexão com o outro, percebo que isso pode parecer confuso a primeira vista, mas procure entender que nós estamos morando aqui por algum motivo e o dele é justamente esse. As vezes pensar demais atrapalha tudo, há quem diga que não, que isso é um símbolo de praticidade, pode até ser, em algumas situações, convenhamos que a analise do maior número de variáveis possíveis é bem útil. Talvez esperar que o domingo passe para você ir ao banco sacar dinheiro para comprar comida seja estupidez, você pode realmente estar precisando daquele alimento, naquele momento, porém, será que vale a pena você se arriscar a sair, sozinho, por essas ruas perigosas, a pé, apenas para satisfazer esses seus desejos?
Acho que sou o próximo, o doutor já mandou me chamar, agora tenho que deixa-los a sós com seus pensamentos, o meu tempo vai passar rápido, você vai ver, logo logo estarei de volta pra lhes contar mais sobre o que acontece conosco aqui e qualquer outra coisa que o Edu esteja disposto a discutir comigo. Tenho que ir agora, até daqui a mais ou menos uma hora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Labirinto do Fauno

"Sinceramente, tô nem ai pra esse monte de merda."

Narrativa escolar