Antes da faculdade

Encontrei esse texto um dia desses quando tava revendo meus papéis antigos. Cuidado ele é ridiculamente grande e sem sentido. Mas, em todo caso, espero que você se divirta, corajoso e nobre leitor.

Fila de banco é tudo igual, você olha pra cara do seu 'vizinho' e logo se arrepende pensando em mais quanto tempo você vai ter que perder ali naquele lugar, e a sua vez que nunca chega. A burocracia é uma coisa engraçada, se não fosse trágica seria mais engraçada, e aqui estou eu na fila do banco esperando a minha vez de ser atendido. Embora eu não esteja olhando diretamente nos olhos dos outros sei que muitos desses olhos miram em mim. Por que? Vai saber. Talvez seja porque estou em um habitat incomum pra minha espécie e vai ver também que possa ser porque estou tentando fazer o algo de produtivo com esse tempo desperdiçado, ainda acredito que alguma coisa interessante deve acontecer hoje.

Percebo o olhar, os gestos e o modo de se comportar de boa parte das pessoas que estão aqui nessa sala, muito bem refrigerada, diga-se de passagem [maravilha], noto que a maioria está acompanhada e quem não está finge que nada acontece a sua volta, ligam o piloto automático e fazem a boa e velha 'cara de paisagem'. O barulho daqui é estranhamente abafado que chega a incomodar. Enquanto uns ouvem músicas em seus celulares Hi-Tech, outros olham impacientemente para o mostrador eletrônico, aquele que parece que nunca vai chamar seu número. Mais algumas pessoas são chamadas, agora sim parece que a fila vai andar, será que dessa vez as aparências me enganaram? Se bem que hoje nem estou tão impaciente assim, pior que ontem quando sai de casa praticamente ao meio-dia, sabendo que só iria ser atendido por volta das 2 da tarde nem prestei muita atenção ao calor que fazia e talvez com isso eu tivesse que perder mais tardes ociosas e bem confortáveis em troca de uma maldita dor na coluna por ficar horas e horas de pé. Pelo menos consegui resolver o que tinha que ser resolvido ontem e agora estou eu aqui outra vez. Tenho que corrigir essa minha velha mania de tentar chegar cedo demais nos lugares, porque no final só faço me atrapalhar.

O pior não é nem esperar, em si, considero como sendo o pior o próprio caminho de ia de volta, tendo em vista que geralmente ando só por ai. Me desculpe, pra mim o medo é inevitável e as vezes até que necessário. Mas também admito que de quando em vez passo dos limites e nessa relação de medo Vs medroso ainda não descobri quem usa quem. Cadê a criatividade quando se precisa dela? Acho que ela foi ali pairar sobre alguém mais interessante do que eu. Agora retiro o que disse mais cedo, estou impaciente e não posso mais negar. Essa burocracia filha de uma lombriga anêmica acabou com o dinheiro que eu já nem tinha.

O que será que vai acontecer nesse novo ano que tá pra chegar? Espero que apareçam coisas boas pelo meio do meu caminho, espero também que eu consiga me matricular na UEPB, imagina só: universidade legal, perto de casa e ainda tem o curso que eu quero. É quase perfeito, só falta eu entrar [somente lol]. Agora tá quase na minha vez, faltam só mais algumas pessoas, pode ser que seja melhor eu parar de escrever e guardar isso aqui. Mas, acho que ainda da para eu continuar me ludibriando aqui um pouco com essa pequena distração. Uma das coisas mais irritantes é que ao invés da fila andar ela só cresce e as pessoas vão se aglomerando cada vez mais em cima das outras, é um calor humano que eu realmente não estou disposto a sentir agora, se bem que eu continuo aqui com cara de criança feliz comendo biscoito sentado na minha cadeira, já esperei muito tempo em pé, cadeira aqui vale tanto quando um garrafa d´água num deserto. Maldade? Eu sei que é, mas se essa fosse toda a maldade do mundo eu não precisaria andar pelas ruas com medo de ser assaltado, outra vez.

Estranho é que a cada 'bip' da máquina apocalíptica numérica olhares ansiosos com um pouco de esperança mas ao mesmo tempo desanimados focam nela [todos nozes, amigo]. Antes mesmo que eu me desse conta todas as cadeiras novamente foram preenchidas e outras pessoas se prostram enfileiradas umas atrás das outras e dão de ombros em um sinal de quase solidariedade para com a demora desses 2 caixas. E ainda por cima TODOS estão atendendo os clientes 'preferenciais' e eu vou continuar aqui me perguntando quanto tempo mais vou ter que esperar para que eles me tirem o restinho de dinheiro que eu ainda tinha. O que é que vou descrever agora? Nada mais vejo que mereça relevância. Já deu né? Por hora vou continuar aqui bocejando enquanto espero a minha vez, em pensar que alguns minutos atrás ela tava até que andando rápido, e você tenha um bom fim de dia, vou continuar aqui olhando o símbolo do banco se metamorfosear nesse monitor de lcd. Abraços o/.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Labirinto do Fauno

"Sinceramente, tô nem ai pra esse monte de merda."

Narrativa escolar